italiani | á tavola

cada vez que como num restaurante italiano, perguntam-me logo se é bom e se o A gostou. sendo ele exigente como qualquer italiano na sua gastronomia, não perdoa nem se esquece. desde que nos conhecemos, em itália, que ficou decidido (mesmo que jamais pronunciado tal regra) que a comer fora, nunca o que se pode comer bem em casa, ou seja massas e risottos nunca porque isso está garantido que o consigamos fazer e bem. eu não, mas ele sabe o que diz e o que cozinha e eu não discuto. habituei-me a ter na mesa comida da boa, seja dele ou da minha sogra, e de facto assim, só vale a pena comer fora se for pizza. mas não comemos pizzas quaisquer. na verdade... para um italiano comer não é só comer... é todo um processo e assunto que tem que se lhe diga.
existem regras, combinações, atitudes, nomes, e proibições que têm que ser cumpridas, ou arriscam-se a nunca mais se livrarem da fama.......... eu que o diga.

a ver se eu consigo num só post, reunir todas as regras, absurdas ou não, ele que não oiça, para comer bem e tranquila com um italiano à mesa.

. os italianos não são esquisitos, comem de tudo e bem. o máximo da esquisitice que eu assisti num italiano foi para comer ouriços do mar... que muito entendi eu, pois não consigo conceber tal coisa, está na minha lista de coisas que eu não como no número 249! 

. os italianos aprendem a cozinhar na barriga da mãe, e toda a vida a ouvem falar de comida e a cozinhar, de todo em modo mulher escrava da cozinha, mas mais elevada a um altar de bem cozinhar... incrível! mãe é mãe, é certo, mas as mães italianas, não necessariamente todas napolitanas, há mais cidades em itália, todas com uma capacidade de temperar, apurar, combinar e cozinhar incríveis. a minha sogra não é excepção. tem a cozinha sempre, mas sempre vazia, e no entanto temos banquete a todas as refeições. ofereço ajuda, mas sei que no fundo o melhor é esperar pela surpresa! eles assim crescem e assim ficam. aprendem a fazer do nada, algo que é simplesmente divinal. 

. a pasta e o risotto não são acompanhamento! e agora entramos por um caminho tortuoso porque meu deus foi a primeira grande diferença da cozinha italiana que eu vi e não entendi, lembrem-se que eu cheguei lá com 22 anos e embora já comesse há muito tempo comida no geral, não fazia ideia o que era cozinhar nem que a comida não precisasse de meio kilo de sal por garfada... o português, como muitas outras civilazações mistura arroz e massa com carne, com peixe, com douradinhos (yuck), galinha, atum tudo... alto! nunca, jamais se come uma pasta ou risotto acompanhado de um bife, posta de peixe... quando se sentarem num restaurante italiano, não há bife com esparguete para ninguém, haverá sim um spaghetti al ragú, que tem carne picada suficiente para fazer uma almôndega apenas para lhe dar alguma textura... num risotto alla salsiccia apenas para lhe conferir sabor temperada com vinho ou cerveja... mas nunca, como acompanhamento do que quer que seja. é o prato! quando pedirem um bife num restaurante... o bife vem num prato sozinho... depois é preciso pedir a salada, batatas ou verduras cozidas à parte!

. queijo e atum não se juntam! talvez a que demorou mais a encaixar... caramba a única pasta que eu sabia fazer (e muito mal) tinha que ter um toque mais italiano, ou seja, queijo parmesão em cima! não!!! quem é que me disse isto de um modo muito querido e baixinho para não me envergonhar à mesa com catorze pessoas?... a minha sogra! e desde aí... nunca mais. porquê? não faço a mínima...... mas não quero descobrir, não me atrevo a pronunciar tal combinação.

. parmiggiano... ui, um mundo de muita rivalidade. há parmiggiano e há grana padano! pela vossa saúde, não baralhem os dois. o ar condescendente de um italiano a olhar para quem baralha os dois é bastante mau... é preciso um curso, por isso tirem-no! se puderem façam amizade num mercado de sábado de manhã numa qualquer cidadezinha italiana e em três tempos vão estar a dar bitates sobre queijos. o teste está em provar um em lisboa e conseguir dizer qual é... impossível!

. aprendam a dizer bem bruschetta

. a pasta come-se em prato fundo, só de garfo. ajudar com a colher é para bebés, e esses comem sopas passadas!

. partir o spaghetti ou cortar com o garfo e faca denuncia logo um português! para além de ser quase impossível usar o garfo em esparguete partido........... se incomoda "sorver" os fios de massa, aprendam a enrolar no garfo. 

. azeite, sempre extra virgem! e nunca meter na água onde se cozinha a pasta!

. pizza. antes do mais, é uma pizza por pessoa, não são 3 fatias. se a pizza for boa, não pesa nem é demais. é perfeita!

. pizza hut não é pizza é bolo!

. não existe pizza com fruta assim como não existe esparguette à bolonhesa!

. a pizza come-se com as mãos!

. cappuccino nunca se bebe ás refeiçoes, e muito menos depois do meio-dia... ainda estou para me habituar a esta... não consigo e como portuguesa vou ignorar.... ao lanche sabe bem desde que não à mesa com o sogro. 

. caffé bebe-se curto. e se for pingado é maQUIato e não maXiato. faz parte do básico não inventem e se usarem a língua italiana tem que ser bem. como também não existe piSa mas sim PITSA!

dito isto... buon appetito e para que saibam, a MELHOR PIZZA DE LISBOA é feita num Forno d'Oro!



No Comments Yet, Leave Yours!