catorzesemanasdenós

demorei tanto tempo para me sentar aqui e falar sobre o que sinto estes dias... a barriga já se nota, coitada não cabe em roupa nenhuma, já se vê à distância e eu de momento não faço questão nenhuma de a fechar dentro de umas calças, com este calor, quero é vestidos, calções e se puder só pijamas. treze semanas de novo baby, de nova vida.
ó meu deus como demorei a sorrir... esperei o tempo recomendado e achava que a parte mais difícil depois de ter tido o momento mais triste da vida era tentar de novo, era voltar a querer tentar... demorei a aceitar que talvez desta vez corresse bem, mas como se diz, tentar não custa... foi quando soube que havia nova vida que o medo se acumulou em mim, a ansiedade e todas as dúvidas que nuca na vida tinha tido antes de março passado.
demorei a querer admitir, aos outros, e a mim principalmente, que poderia vir aí coisa boa. ás cinco semanas pensei que talvez ele tivesse razão, já passou um mês e fazendo as contas já dava para estarmos... aidna não dizia eu. seis semanas e mais dúvidas e alguns medos acumulam, sete semanas e todos os pesadelos da outra vez voltam e passo dias a chorar... quero acreditar que tudo se resolve, quero ter esperança, e no entanto fecho os olhos e só vejo tristeza. olho para a nossa família como existe agora e penso porque fui eu tratar de ter mais filhos e passar por estes horrores quando tenho o que me faz feliz... oito semanas e um teste, positivo, e uma consulta. vi-o ali. sozinho, um apenas... existe mesmo.
nove semanas e enjoos
dez semanas e vómitos
onze semanas e mais dúvidas sobre o que fazer sobre a amniocentese... tenho trinta e seis anos, não posso esconder que tenho medos, não posso ignorar que a idade pode pesar... ele tranquiliza-me, vamos ter calma, uma cosia de cada vez. tudo a seu tempo.
doze semanas e uma ecografia e um rastreio... que bom que foi ver-te mexer, acho que sorriste, acho que me disseste olá. ele emocionou-se, eu suspirei de alívio. vai correr tudo bem... os manos já o querem ver e eu já não vivo sem este meu novo bebé. ainda há tanto para fazer para que todos os receios se ouçam menos para que eu também possa viver esta gravidez como vivi a primeira e só pensar no bom que aí vem.
treze semanas, catorze semanas e aqui estou eu, já comprei dois mimos, já falamos de ti como se te esperássemos há tanto tempo e sabemos que estás a chegar, fazes parte da nossa rotina até porque tenho passado muito mal, fazes-te notar desde o primeiro segundo e eu cá estou para mostrar o quanto queres fazer parte desta família, vómitos e enjoos é contigo, os teus manos deram pouco trabalho quando cá estiveram dentro, tu parece que não queres que se esqueçam de ti... dizem que deves ser miúda, eu acho que é miúdo. o pai acredita que tentou dois milagres de uma só vez, que és só UM e que és gaija... eu vejo-te há anos ao meu lado e és rapaz... a ver.

cá te espero... cá te esperam todos, prontos para passar a achar o mês de janeiro um dos melhores do ano. vem bem, saudável, tranquilo, sereno e sorridnte meu bebé.